Os 5 motivos para a oposição não querer o impeachment de Bolsonaro, lista Thomas Traumann

7
Ex-Presidente Lula da Silva durante reunão com parlamentares do PT, no hotel San Marco, em Brasília.| Sérgio Lima/Poder360 18.02.2020

Presidente se colocaria como vítima Não se sabe como enfrentar a covid-19 É impossível realizar protestos de rua Vice Hamilton Mourão é uma incógnita ‘Nunca interrompa erros de 1 inimigo’.

O ex-presidente Lula é 1 dos personagens da oposição a não apoiar 1 processo de impeachment contra Bolsonaro. E tem boas razões para issoSérgio Lima/Poder360 – 18.fev.2020

PODER360 – THOMAS TRAUMANN

Oderretimento do governo Bolsonaro nos últimos 10 dias da pandemia do coronavírus gerou muito barulho de panelas nas grandes cidades e um silêncio quase constrangedor no Congresso Nacional. A palavra impeachment, usada como se fosse vírgula pelos parlamentares nos tempos de Dilma Rousseff e Michel Temer, virou tabu. Na semana passada, a Executiva do Psol censurou os deputados federais que propuseram o afastamento do presidente. Não existe neste momento probabilidade de um pedido similar ser aceito pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

É um paradoxo. Diante da maior instabilidade do seu mandato, Bolsonaro não enfrenta oposição real, como a que Dilma e Temer sofreram. Os governadores? Esqueça. O que João Doria, Wilson Witzel, Flavio Dino e outros estão fazendo é tomar conta de seus governos diante do Estado de Negação que o presidente e o ministro Paulo Guedes assumiram em relação à pandemia. Se Bolsonaro e Guedes não houvessem tentado esconder suas cabeças na areia supondo que o coronavírus não atingiria o Brasil, eles poderiam coordenar o ritmo das interdições das atividades econômicas. Perderam o direito de influir não por esperteza dos governadores, mas por negligência e incapacidade de aceitar os fatos.

Continuar Lendo Depois da Publicidade

O que faz tanta gente que despreza, odeia ou teme Jair Bolsonaro a não chacoalhar a árvore nesse momento é uma combinação de 5 cálculos políticos. De Rodrigo Maia a Luiz Inácio Lula da Silva, de João Doria a Luciano Huck, existe um consenso no meio político de que o melhor que poderia acontecer agora a Bolsonaro seria um movimento pelo seu impeachment. Isso lhe devolveria o seu papel favorito, o de vítima de uma conspiração dos poderosos. Seria a oportunidade para o capitão incendiar as suas bases com o discurso do “nós contra eles”.

O 2º motivo é a falta de opções para enfrentar a crise. O coronavírus é uma pandemia como nunca se viu. Vai provocar uma recessão mundial e uma desorganização da economia. No Brasil, a doença pode causar tanta dor quanto a recessão de 2014/15/16, com o agravante de o país ainda estar em fase de recuperação. Milhares de empresas fecharão as suas portes, centenas de milhares de brasileiros perderão os seus empregos e haverá uma queda geral na renda. Ninguém sabe ao certo como lidar com este momento. A oposição sabe que, se iniciar uma discussão sobre impeachment agora, passará a fazer parte do problema e não da solução.

O 3º fator é que a tradição que derrubou Fernando Collor, em 1992, e Dilma Rousseff, em 2016, foi formada por 3 eixos, o desgaste do Executivo com o Congresso, a recessão e o povo nas ruas. Bolsonaro fez todo o possível para esgarçar suas relações com o Congresso e completar o 1º item, enquanto a recessão é, infelizmente, questão de tempo. Mas com a propagação do coronavírus é impossível imaginar manifestações de qualquer tamanho nos próximos meses. A doença que estraçalha o mandato de Bolsonaro, também lhe salva dos protestos de rua.

Continuar Lendo Depois da Publicidade

Há ainda a incógnita general Hamilton Mourão. O vice-presidente que defendeu uma intervenção militar em 2018 se metamorfoseou depois da posse em um oficial sensato e articulado. Mas os políticos aprenderam com a história. Em 1964, o marechal Castelo Branco também parecia comprometido em devolver o poder aos civis em um ano. Ficou dois anos e iniciou a mais longa ditadura da história brasileira.

Na 2ª feira (dia 23), Bolsonaro e Paulo Guedes deram a 5ª razão para os políticos não trabalharem pelo seu afastamento agora. Em uma medida provisória que reunia insensibilidade social com inoperância administrativa, o governo autorizou às empresas parar de pagar seus funcionários por 4 meses, sem nenhuma garantia de compensação aos trabalhadores. Diante das críticas, o presidente recuou e cancelou o artigo que empurraria milhões de pessoas à pobreza. A oposição enxergou nesse bate-cabeça entre Bolsonaro e a equipe econômica um aforismo atribuído a Napoleão Bonaparte, “nunca interrompa o inimigo quando ele estiver cometendo um erro”.