UFMS » Notícias » Laboratório será usado para diagnóstico e pesquisa da Covid-19 em Três Lagoas

15

Laboratório será usado para diagnóstico e pesquisa da Covid-19 em Três Lagoas

1 horas atrás – 24/04/2020

O Laboratório de Genética e Biologia Molecular da UFMS no campus de Três Lagoas passa por adaptações para a realização do diagnóstico e de estudos da Covid-19. A ação foi aprovada na seleção feita pela Universidade de ideias e projetos para o combate ao coronavirus e está inserida na “Avaliação Sistêmica e Integrada da Covid-19 em Mato Grosso do Sul” .

“As adaptações físicas são necessárias para seguirmos as normas de biossegurança de nível três para recebermos amostras possivelmente contaminadas pelo SARS-CoV-2 e evitarmos a contaminação das pessoas que irão atuar no projeto”, informou o coordenador da ação, professor Édis Belini Junior. As adaptações são feitas pela UFMS em parceria com a prefeitura de Três Lagoas e estão sendo adquiridos também pela Universidade, Ministério da Educação e Secretaria de Estado de Saúde de MS materiais permanentes e de consumo.

O laboratório irá passar por etapas de certificação pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) e receberá todas as diretrizes para que as análises sejam desenvolvidas dentro do que é exigido. O local já conta com a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) emitida pelo Conselho Regional de Biologia para regulamentar as emissões de laudos de exames moleculares para a Covid-19 e, segundo o coordenador, não existe no momento na cidade ou na região laboratório público ou privado que realiza este tipo de análise.

A previsão é que em 30 a 35 dias as análises iniciais já comecem a ser executadas. O diagnóstico será realizado por RT-qPCR, técnica molecular considerada ‘padrão-ouro’ para análise do vírus causador da Covid-19. As amostras serão coletadas, principalmente, por swab nasofaríngeo, pelos profissionais de saúde que estarão na linha de frente ao enfrentamento da doença.

“A meta inicial é avaliar 60 amostras por dia e, dependendo da demanda, poderemos automatizar algumas etapas e aumentar esse número. O fluxo de amostras obedece o que já é compactuado com a Secretaria Municipal de Saúde de Três Lagoas e Lacen, no entanto, o laboratório seria um intermediador para realizar as análises, excluindo a necessidade do envio para Campo Grande”, disse o professor.

A equipe será composta inicialmente por 10 a 15 pessoas, entre professores do curso de Medicina, técnicos de laboratório, servidores do município e voluntários que se inscreveram na ação estratégica “O Brasil Conta Comigo – Profissionais da Saúde”, do Ministério da Saúde. Todos irão receber treinamentos de biossegurança, técnicas laboratoriais e etapas de análise para detecção do vírus SARS-CoV-2. “Devido ao cenário atual, nesse primeiro momento, não contaremos com acadêmicos”, explicou Bellini.

Para o coordenador da ação, a descentralização de alguns serviços, principalmente da saúde, facilita a logística de análise, agilidade de diagnóstico e rápida ação. “Dessa forma, os pacientes acometidos com essa infecção podem ser assistidos de forma mais rápida e segura pelas equipes de saúde. Além de possibilitar aos gestores de saúde intervenção e ações estratégicas mais robustas para conter a propagação do vírus”.

O Laboratório de Genética e Biologia Molecular da UFMS no campus de Três Lagoas é um laboratório de referência nacional para pesquisa e diagnóstico laboratorial das hemoglobinopatias. Referendado pelos principais centros de triagem neonatal (teste do pezinho) do país e pelo Ministério da Saúde. Atualmente, executa um projeto de extensão na modalidade prestação de serviço que atende solicitações de diversos laboratórios públicos e privados do país com a realização de análises eletroforéticas, cromatográficas e moleculares no apoio ao diagnóstico confirmatório das hemoglobinopatias.

“Para além do desenvolvimento de pesquisas sobre a Covid-19, as adaptações no laboratório e a aquisição dos materiais poderão possibilitar posteriormente a realização de outros projetos de extensão, pesquisa e ensino envolvendo também diferentes abordagens de diversas síndromes respiratórias, doenças genéticas, entre outras. Com isso, prevemos um impacto positivo e benefícios diretos e indiretos deste projeto para toda a comunidade”, finalizou o coordenador.

Texto: Ariane Comineti – Fotos: Leandro Benites