Bolsonaro diz que não entregaria celular mesmo que o STF ordene

1

‘Só se fosse 1 rato’, afirmou Ministro pediu para PGR analisar Mas não determinou a apreensão

PODER360

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 6ª feira (22.mai.2020) que não vai entregar seu aparelho celular para perícia em caso de uma eventual ordem para fazê-lo por parte do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello. A afirmação foi feita em entrevista à Jovem Pan.

“Só se o presidente da República for 1 rato para entregar o telefone. Jamais entregaria 1 celular numa situação dessa. Só se fosse 1 rato para entregar o telefone”, declarou.

O chefe do Executivo federal se referia ao despacho encaminhado pelo decano do Supremo à PGR (Procuradoria Geral da República) para que o órgão se manifeste sobre o pedido nesse sentido feito a partir de 3 notícias-crime relacionadas à suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal, atitude relatada por Sergio Moro.

A solicitação feita pelo ministro, entretanto, em nenhum momento indica que, de fato, será exigido o aparelho telefônico do presidente. Trata-se de diligência comum, já que a Constituição determina que o procurador-geral da República, atualmente Augusto Aras, deve sempre ser consultado em processos que tramitem na Suprema Corte.

Imagina 1 telefone, eu entrego ele, vai para o senhor Celso de Mello e ele resolve divulgar ligações com chefes de Estado, autoridades daqui ou trocas de ‘zap’? Não tem cabimento. Ele divulgou 99% da fita [da reunião ministerial]. É uma aberração, 1 ultraje, uma irresponsabilidade alguém querer ter acesso ao telefone funcional meu”, falou Bolsonaro na entrevista.

O presidente também afirmou não se preocupar com as eventuais consequências da divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril. Segundo ele, em nenhum momento apresentou intenção de interferir na PF.

“Qual é o ponto do vídeo que interfiro na PF? Repito: Qual ponto? Não existe. Mais 1 tiro n’água e mais uma farsa desmontada.” 

“Tem palavrão? Tem. Se não quer ouvir palavrão vote num ‘embromadinho’ no futuro que não fala palavrão, mas mete a mão no bolso de todo mundo”, completou.

Em relação aos pelo menos 43 palavrões proferidos na reunião ministerial, Bolsonaro disse que “falou com o coração” e que “era algo reservado”.