Ministério da Saúde tem dança das cadeiras e 17 militares nomeados na pandemia

5

Secretário deixa o cargo nesta 2ª 2 ministros já deixaram a pasta Brasil tem mais de 22.000 mortes

PODER360

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira, deixa o cargo nesta 2ª feira (25.mai.2020), por decisão própria. Um dos principais articuladores da estratégia da pasta contra a covid-19, Oliveira já é a 5ª baixa importante no ministério desde o dia em que o Brasil registrou a 1ª morte pela doença, em 17 de março.

De lá para cá, a Saúde do governo Bolsonaro perdeu também 2 ministros: Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. O 1º contrariava o presidente em relação a medidas de isolamento social para conter o avanço do coronavírus. Já o 2º se recusava a recomendar a todos o uso da cloroquina para o tratamento da covid-19, como defende Bolsonaro.

O general Eduardo Pazuello assumiu o ministério interinamente após a saída de Teich, em 15 de maio. Passou então a promover a militarização da pasta. Ao menos 17 nomes ligados às Forças Armadas foram nomeados para o ministério sob a gestão interina de Pazuello.

Bolsonaro disse, em 22 de maio, que o rol de militares na pasta ainda vai crescer. “Está dando certo, está mudando muita gente lá. ‘Ah, está enchendo de militar’. Vai botar mais militares, sim. Com civis não deu certo. E ponto final”, disse em entrevista à rádio Jovem Pan.

Poder360 preparou 1 infográfico com as mudanças durante a pandemia. Eis abaixo: