Após protestos, governo paraguaio autoriza “delivery” de mercadorias na fronteira

18

Comerciantes poderão fazer entregas a consumidores brasileiros na Linha Internacional

Marcos Morandi MIDIAMAX

Depois dos protestos de comerciantes de Pedro Juan Caballero,  que fecharam as principais vias de acesso à Aduana daquela cidade, impedindo que caminhões transportando mercadorias brasileiras de outros países pudessem fazer os trâmites alfandegários para ingressar no Paraguai, o governo resolveu atender à reivindicação da Câmara de Comércio de Pedro Juan Caballero e vai permitir um corredor sanitário para o trânsito de mercadorias com consumidores de Ponta Porã.

A informação foi repassada na noite desta segunda-feira (20) pelo presidente da Câmara de Comércio, Victor Barreto que conversou por telefone com o ministro da Defesa Nacional Bernardino Soto Estigarribia e foi notificado que depois de uma reunião de gabinete na tarde desta segunda-feira, ficou decidido que amanhã (21) a partir das oito horas da manhã a comercialização de produtos no chamado “delivery” estará permitido.

Segundo Barreto, com a abertura do “corredor sanitário” as pessoas poderão comprar os produtos no comércio de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero através de aplicativos como WhatsApp e receber estes produtos nos pontos estabelecidos pelas autoridades sanitárias.

“É uma abertura que o governo deu para o povo fronteiriço como forma de salvar empregos e manter a economia funcionando, mas é necessário que a população respeite as normas e as regras que serão impostas para que não tenhamos o caos e a necessidade do fechamento da Linha Internacional novamente”, disse Barreto.

As normas sanitárias e a forma que vai funcionar o corredor sanitário ainda não foram definidas pelo Departamento Sanitário do Departamento de Amambay, entretanto,  já havia um protocolo pré-estabelecido para ser colocado em prática em caso de uma autorização, o que acabou acontecendo.