Temporal provoca 4 mortes e prejuízos no Sul; assista aos vídeos

4

Região com ventos de até 120 Km/h – Oeste de SC e norte do RS mais afetados

PODER360

A região Sul foi atingida nesta 3ª feira (30.jun.2020) por fortes vendavais e tempestades que provocaram a morte de pelo menos 4 pessoas. Os 3 estados da região registraram bloqueio de estradas, destelhamento de casas, quedas de árvores e falta de energia.

A frente fria associada ao chamado “ciclone bomba”, 1 ciclone extratropical, causou ventos de até 120 Km/h, segundo a Defesa Civil de Santa Catarina. Só no oeste, a área mais afetada do estado, os bombeiros atenderam 900 ocorrências relacionadas ao temporal.

A Defesa Civil confirmou a morte de pelo menos 3 pessoas em Santa Catarina. Em Chapecó, uma idosa de 78 anos foi atingida por uma árvore. Na cidade de Tijucas, litoral catarinense, uma morte foi causada pela queda de uma estrutura. Um homem morreu depois de ser atingido por fios de alta tensão em Santo Amaro da Imperatriz, região metropolitana de Florianópolis. O Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina informou que, até às 18h de 3ª (30.jun), uma pessoa estava desaparecida.

No Rio Grande do Sul, 1 homem de 53 anos morreu soterrado em Nova Prata, depois de 1 deslizamento de terra. Um hospital de Barracão, cidade que fica perto da divisa com Santa Catarina, foi destelhado e os pacientes tiveram que ser transferidos. A Defesa Civil do estado alertou que a região de Porto Alegre, que já registrou fortes chuvas na 3ª (30.jun), deve ser atingida na manhã desta 4ª (1.jul) pela passagem do ciclone.

No Paraná, pelo menos 13 municípios foram afetados. A região metropolitana de Curitiba teve queda de energia, o que prejudicou o abastecimento de água na capital e outras 6 cidades. De acordo com a Agência Estadual de Notícias, os ventos chegaram a 97 Km/h. Em Nova Prata do Iguaçu, 40 pessoas ficaram desalojadas. Na cidade de Foz do Iguaçu, 100 casas foram danificadas e, em Palmas, 12 pessoas estão desabrigadas.

CICLONE BOMBA

Os ciclones extratropicais são aqueles formados em latitudes médias, longe dos trópicos. O que atingiu a região sul do Brasil é a derivação de 1 ciclone extratropical, mais forte. Por isso, é chamado de “ciclone bomba”. Ele ocorre quando a pressão atmosférica despenca de forma muito rápida em 1 curto período de tempo.

Por conta das frentes frias de inverno, os ciclones extratropicais são comuns nessa época do ano. Porém, a queda da pressão atmosférica necessária para a formação do “ciclone bomba” é mais rara.