Vigilância Sanitária alerta para o crescimento de casos de dengue em Selvíria

13

O setor de Vigilância Sanitária de Selvíria alerta para o crescente número de casos de dengue no município. Somente nos seis primeiros meses deste ano, os registros são mais do que o dobro do que o registrado no mesmo período do ano passado.

De acordo com informações do Setor, nos primeiros meses deste ano foram registrados 59 casos de dengue em Selvíria. Em 2019, no mesmo período, foram 25, contra 10 em 2018.

Jeane Alves de Jesus, Fiscal da Vigilância Sanitária de Selvíria, explica que a dengue é uma doença sazonal, com picos a cada novo ciclo. Mas que este ano, em função de todas as atenções, do Poder Público e da população, estarem voltadas para o combate a pandemia de Coronavírus (COVID-19), a doença pode ter encontrado um espaço maior para avançar. “A cada dois ou três anos, é registrado um pico maior da doença. Mas este ano há um outro agravante, pois todas as ações estão concentradas no combate ao Coronavírus. Não deixamos nada de lado, mas os esforços estão concentrados no combate à doença. E essa também é, no momento, a maior preocupação da população. E os cuidados com a dengue acabam sendo deixados de lado”, explica Jeane.

A fiscal ressalta que todas as ações de enfrentamento a dengue continuam em Selvíria, mesmo com as atenções voltadas ao combate ao Coronavírus. Um novo arrastão de limpeza, por exemplo, será feito este ano e as equipes de Controle de Vetores e Endemias continuam visitando as residências.  “A dengue não tem mais período. Antes, muito se falava em casos durante o período chuvoso. Mas hoje casos são registrados o ano todo. Por isso, mesmo com a pandemia, a equipe de Vetores continua trabalhando. Esse trabalho não foi suspenso. Eles não entram no interior das residências, mas continuam olhando os quintais, atrás de possíveis criadouros e focos do mosquito”, disse Jeane.

Jeane ainda afirma e alerta que os números registrados este ano são preocupantes e que a população precisa tomar os cuidados necessários, eliminando possíveis criadouros e evitar a proliferação do mosquito que transmite a doença. “É preciso intensificar os cuidados, olhar os quintais. E se souber de um algum terreno baldio, de uma área pública, que esteja om entulhos, que possam tornar criadouros do mosquito, entrar em contato com a equipe de Vetores, que vamos solicitar a inspeção e limpeza”, finalizou Jeane.

Maiores informações podem ser obtidas pelo telefone 3579-1650 (Controle de Vetores e Endemias), falar com a coordenadora Lilian Moraes Uga, ou funcionários ligados ao setor.

Por: Assessoria de Comunicação.