Saúde de Três Lagoas participa da quarta etapa de Mobilização Nacional de Vacinação contra o Sarampo

11

FOTO/DIVULGAÇÃO

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, por meio da coordenação do Setor de Imunização, informa à população que está aberta, desde esta segunda-feira (03), a quarta etapa da Mobilização Nacional de Vacinação contra o Sarampo, em todas as Unidades de Atenção Primária de Saúde, popularmente conhecidas como “Postinhos” de Saúde.

Nesta quarta etapa de Vacinação contra o Sarampo, as equipes de vacinação das Unidades de Saúde estarão atendendo a todas as pessoas, sem necessidade de pré-agendamento, já que a vacina contra o sarampo é uma vacina de rotina no calendário do Programa Nacional de Imunização (PNI) e, em especial, nesta etapa da Mobilização, as de 20 a 49 anos de idade.

Como explicou a coordenadora do Setor de Imunização, enfermeira Humberta Azambuja, a Mobilização Nacional de Vacinação contra o Sarampo, assim como as demais Campanhas de Vacinação, realizadas no decorrer do ano, “tem como objetivo principal a prevenção e controle das doenças”.

A Vacinação contra o Sarampo, que se estende até 31 de agosto, é uma estratégia do Ministério da Saúde para interromper a transmissão e eliminar a circulação do vírus no Brasil. As duas primeiras etapas ocorreram em 2019, com a realização de ações nacionais, em outubro, para crianças de seis meses a menores de 5 anos de idade. E, a segunda etapa, foi realizada em novembro para a população de 20 a 29 anos. A terceira etapa, que ocorreu entre 10 de fevereiro a 13 de março deste ano, teve como público-alvo a população de 5 a 19 anos.

Em meio à evidência e destaque da pandemia da COVID-19, o Ministério da Saúde tem também alertado a população quanto à importância da vacinação contra o Sarampo, que é, comprovadamente, uma doença grave e de alta transmissibilidade. Uma pessoa infectada pode transmitir a doença para até outras 18 pessoas.

Como em todas as Campanhas, “é importante que as pessoas se acostumem a levar consigo a Carteirinha de Vacinas, para que o pessoal da Saúde faça as devidas anotações de controle e acompanhamento”, recomendou Humberta.